O clima em maio será de extremos históricos

Motoristas das categorias C, D e E têm até 3ªfeira para fazer exame toxicológico
29/04/2024
PF deflagra operação contra indenizações fraudulentas do seguro DPVAT em SC
30/04/2024
Motoristas das categorias C, D e E têm até 3ªfeira para fazer exame toxicológico
29/04/2024
PF deflagra operação contra indenizações fraudulentas do seguro DPVAT em SC
30/04/2024

Maio é o terceiro e, historicamente, o mais frio mês do outono climático (trimestre março a maio) em que as características climatológicas já se aproximam mais do inverno, especialmente na segunda metade do mês, diferentemente do primeiro mês da estação (março) em que o clima é mais próximo do observado no verão. Com isso, aumentam os dias de frio ou amenos e ficam menos frequentes os episódios de calor.

A possibilidade de mínimas muito baixas e de geada cresce, tradicionalmente, em maio. Eventos de ar muito gelado de trajetória continental que geram queda de temperatura acentuada, e mínimas muito baixas no Sul, no Centro-Oeste, parte do Sudeste e no Norte do Brasil (friagem) não chegam a ser raros. Assim, algumas vezes ocorrem eventos de geada mais ampla no Sul e em parte do Centro-Oeste e do Sudeste com danos ao milho segunda safra. Nestes eventos de frio mais intenso, a geada alcança um maior número de municípios de menor altitude e latitudes mais baixas, logo pontos mais ao Norte.

Já a neve é pouco frequente em maio, embora tenha ocorrido algumas vezes no passado, como no final do mês em 1979 no famoso evento em que nevou durante um jogo do Grêmio em Bento Gonçalves. Em 2022, quando da tempestade subtropical Yakecan (ciclone) houve neve com acumulação no Sul do país e as menores mínimas em maio em várias cidades do Brasil Central desde 1977. Há um incremento ainda no número de dias de nevoeiro e neblina e as estatísticas mostram que o mês é um dos que mais têm registro de cerração entre a madrugada e de manhã.  Em alguns dias, o nevoeiro não raro perdura até o meio ou final da manhã, e em algumas vezes pode se dissipar apenas durante a tarde.

No Centro-Oeste e no Sudeste do Brasil, à medida que se aproxima o inverno que marca a estação seca no Brasil Central, há uma redução da chuva. A cidade de São Paulo tem em maio média de precipitação de 66,3 mm, muito inferior à de janeiro que marca o auge da estação chuvosa que é de 292,1 mm. Em Belo Horizonte, a média de chuva de maio é de apenas 28,1 mm contra 330,9 mm em janeiro. Em Brasília, maio tem média de precipitação de 26,9 mm ao passo que passa de 200 mm em dezembro e janeiro.

Chuva em maio

O sinal de precipitação será radicalmente distinto em maio entre o Centro e o Sul do Brasil. Modelos de clima, em geral, indicam um maio de chuva abaixo a muito abaixo da média na maior parte do Centro-Oeste e do Sudeste do Brasil enquanto no Sul, exceção do Paraná, o sinal é de chuva acima a muito acima da média. Os mapas abaixo mostram a projeção semana a semana de anomalia (desvio da média) de chuva pelo modelo do Centro Europeu (ECMWF) em que se observa o excesso de precipitação no Sul e a escassez de chuva no Centro do país.

Fonte: MetSul

 

 

 

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo protegido