Fronteira EUA-México é rota de migração terrestre mais mortal

Cerca de 10 mil pessoas estão desaparecidas em enchentes na Líbia
12/09/2023
Revitalização da Ponte Azul será concluída neste final de semana
12/09/2023
Cerca de 10 mil pessoas estão desaparecidas em enchentes na Líbia
12/09/2023
Revitalização da Ponte Azul será concluída neste final de semana
12/09/2023

 

A fronteira entre os Estados Unidos (EUA) e o México é a rota de migração terrestre mais mortal do mundo, de acordo com dados da agência de migração da Organização das Nações Unidas (ONU) publicados nesta terça-feira (12). Centenas de pessoas perdem suas vidas ao tentar fazer as perigosas travessias pelo deserto.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) documentou 686 mortes e desaparecimentos entre os migrantes na fronteira no ano passado. O número real provavelmente é maior devido à falta de dados, inclusive dos escritórios da fronteira do Texas e da agência mexicana de busca e resgate.

Em uma paisagem de desertos, cânions e colinas repletas de cactos, os migrantes são vítimas de insolação no verão e hipotermia no inverno, segundo as autoridades da fronteira dos Estados Unidos. Alguns corpos nunca são encontrados.

Paul Dillon, porta-voz da OIM, disse que os números registrados representam as estimativas mais baixas disponíveis.

“Os números alarmantes são um forte lembrete da necessidade de ação decisiva para criar caminhos regulares de migração legal”, afirmou ele a repórteres em Genebra.

A OIM disse que quase metade das mortes registradas no ano passado estava ligada à travessia dos desertos de Sonora e Chihuahuan.

O número de mortes e desaparecimentos documentado pela organização ao longo da fronteira representa quase a metade dos 1.457 casos registrados nas Américas no ano passado.

“Uma das tendências mais preocupantes que a OIM observou nas Américas foi o aumento de mortes nas rotas de migração no Caribe”, afirmou Dillon.

Ele disse que 350 mortes foram documentadas em 2022, em comparação com 245 em 2021 e menos de 170 registradas em anos anteriores. A maioria das vítimas nas rotas migratórias do Caribe era proveniente da República Dominicana, do Haiti e de Cuba.

O Darien Gap, uma passagem de fronteira na selva entre o Panamá e a Colômbia, registrou 141 mortes de migrantes no ano passado, de acordo com a OIM.

“A natureza remota e perigosa dessa área e a presença de gangues criminosas ao longo da rota significam que esse número provavelmente não representa a quantidade real de vidas perdidas”, disse Dillon.

O Panamá anunciou novas medidas na semana passada para conter o aumento das travessias de migrantes pelo Darien Gap, que atingiu recorde histórico este ano.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo protegido