Ataques aéreos israelenses matam 47 pessoas no sul de Gaza

Argentinos vão às urnas neste domingo para eleger novo presidente
18/11/2023
Lideranças parabenizam Milei por vitória na Argentina
20/11/2023
Argentinos vão às urnas neste domingo para eleger novo presidente
18/11/2023
Lideranças parabenizam Milei por vitória na Argentina
20/11/2023

Ataques aéreos israelenses contra blocos residenciais no sul de Gaza mataram pelo menos 47 palestinos neste sábado (18), segundo disseram médicos, após Israel novamente alertar que civis precisam se realocar, enquanto se prepara para um ataque contra o Hamas na região sul do enclave, após subjugar o norte.

Autoridades palestinas acusaram o exército israelense de retirar à força a maioria dos funcionários, pacientes e pessoas deslocadas do maior hospital de Gaza, no norte, e abandoná-los a jornadas perigosas rumo ao sul a pé.

As forças israelenses, que tomaram o controle do hospital Al Shifa em sua ofensiva no norte de Gaza no início desta semana, alegando que o local escondia um centro de comando subterrâneo do Hamas, negaram a acusação, afirmando que as retiradas foram voluntárias.

Israel prometeu aniquilar o grupo militante Hamas, que controla a Faixa de Gaza, após a sua invasão à Israel em 7 de outubro, quando seus soldados mataram 1.200 pessoas e tomaram 240 como reféns para o enclave, de acordo com a contagem israelense.

Desde então, Israel bombardeou grande parte da Cidade de Gaza – o núcleo urbano do enclave -, ordenou o despovoamento da metade norte da estreita faixa e deslocou cerca de dois terços dos 2,3 milhões de palestinos de Gaza.

Autoridades sanitárias de Gaza aumentaram o total de mortos nessa sexta-feira (17) para mais de 12 mil pessoas, incluindo 5 mil crianças. A Organização das Nações Unidas (ONU) considera que esses números são confiáveis, embora estejam sendo atualizados com pouca frequência pela dificuldade de coletar informações.

Ofensiva pelo ar

Uma ofensiva israelense no sul da Faixa de Gaza pode obrigar centenas de milhares de palestinos que fugiram da incursão israelense na Cidade de Gaza, no norte, a se deslocar novamente, junto com os moradores de Khan Younis, uma cidade com mais de 400 mil habitantes, agravando a grave crise humanitária.

De ontem para este sábado, 26 palestinos foram mortos e 23 ficaram feridos por um ataque aéreo contra dois apartamentos em um prédio de vários andares em um movimentado distrito de Khan Younis, segundo disseram autoridades sanitárias.

Alguns quilômetros ao norte, seis palestinos foram mortos quando uma casa foi bombardeada pelo ar, na cidade de Deir Al-Balah.

Um terceiro ataque aéreo israelense na tarde deste sábado matou 15 palestinos em uma casa a oeste de Khan Younis, perto de um abrigo para deslocados, disseram testemunhas e médicos.

Israel diz que o Hamas geralmente esconde combatentes e armas em edifícios residenciais e outros edifícios civis, o que o Hamas nega.

Um comunicado do exército israelense disse apenas que – nas últimas 24 horas – sua força aérea atingiu dezenas de alvos de Gaza, incluindo militantes, centros de comando, bases de lançamento de foguete e fábricas de munições.

Um assessor sênior do primeiro-ministro de Israel pediu, na sexta-feira, que civis palestinos se afastassem de Khan Younis porque forças israelenses teriam que avançar contra a cidade para retirar soldados do Hamas escondidos em túneis subterrâneos e bunkers – sugerindo que uma ofensiva israelense por terra no sul era iminente.

O pendente avanço israelense no sul de Gaza pode ser mais complicado e letal do que no norte.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo protegido