Águas de Joinville anuncia construção da Estação de Tratamento de Esgoto no Vila Nova

OMS manifesta preocupação com infecções respiratórias na China
23/11/2023
STF se manifesta contra mudanças no funcionamento do tribunal aprovada no Senado
23/11/2023
OMS manifesta preocupação com infecções respiratórias na China
23/11/2023
STF se manifesta contra mudanças no funcionamento do tribunal aprovada no Senado
23/11/2023

Manifestação ocorrida contra o local escolhido pela Companhia Águas de Joinville para a construção da Estação de Tratamento de Esgoto no bairro Vila Nova

Mesmo com a opinião contrária dos moradores do bairro Vila Nova , que inclusive, já realizaram manifestação questionando o local escolhido para a construção da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), a Companhia Águas de Joinville anunciou quando iniciará a obra da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE).

Na próxima semana, inicia a preparação do terreno onde a ETE será construída, com adequações preliminares, como cercamento do terreno, limpeza e movimentação de terra. O início da obra está previsto para o primeiro semestre de 2024.

Inicialmente o tratamento de esgoto atenderá o bairro Vila Nova, e futuramente, também o Morro do Meio. A estação será construída em um terreno com mais de 22 mil m², localizado na rua Hermínia Pensky. Quando a ETE entrar em operação, a capacidade de tratamento será de 90 litros por segundo.

A Companhia Águas de Joinville vai realizar na sexta-feira (1º), a partir das 19 horas, uma reunião na Escola Municipal Professora Karin Barkemeyer (rua Márcio Luckow, nº 450). A previsão é que o encontro dure cerca de 1h30 e toda a comunidade está convidada para participar.

A documentação para o início da obra já foi emitida. No final de outubro, a ETE Vila Nova obteve a Licença Ambiental de Instalação (LAI), emitida pelo Instituto de Meio Ambiente de Santa Catarina. Em novembro, houve a emissão do Alvará de Terraplanagem. Além desses documentos, a unidade também já tinha o Alvará de Construção da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente (SAMA) de Joinville.

Entenda o caso

Moradores do bairro Vila Nova, localizado na Zona Oeste de Joinville, estão preocupados com a confirmação da indigesta obra da Companhia Águas de Joinville (CAJ), A população já manifestou sua contrariedade com o local escolhido para a implantação da ETE.

A área onde será edificada a Estação, tem causado aflição aos moradores. A nova ETE será construída junto à Rodovia do Arroz, no inicio do binário e receberá todo o esgoto do Vila Nova e também do bairro Morro do Meio.

A possível contaminação do solo, lençóis freáticos, proliferação de doenças causadas por bactérias, insetos e roedores, retorno do esgoto através de pias, vasos sanitários e ralos das residências e a exalação do mau-cheiro emanado da estação, que poderá atingir boa parte do bairro, são algumas das inquietações dos moradores. Além disso, há também o aspecto econômico negativo, como a desvalorização imobiliária que a estação poderá trazer aos imóveis.

Companhia diz que não haverá produção de gases

Segundo a CAJ, para esta estação de tratamento de esgoto, assim como para as demais em fase de projeto e obra, foi adotada uma tecnologia de tratamento que não gera odores. Ainda que não sejam produzidos gases fétidos no processo de tratamento, em pontos de maior probabilidade de ocorrência de cheiro, como na unidade de entrada dos dejetos, é previsto um sistema de coleta e tratamento destes gases, evitando que estes cheguem até a comunidade. Além disso, foi projetada uma cortina verde ao redor da estação para dissipar qualquer emissão de gás que possa ocorrer.

Estudo diz que Estação poderá gerar mau cheiro

Porém, o Estudo de impacto de Vizinhança (EIV), contratado pela própria CAJ, contém informação contraditória. “Em relação a implantação da Estação de Tratamento de Efluentes do bairro Vila Nova, teremos dois “pontos de vista”, o primeiro, onde os imóveis limítrofes ao empreendimento terão algum tipo de desvalorização pelas características do mesmo, que poderá gerar algum tipo de odor e pelo aspecto visual.”, descreve o estudo em sua página 103.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo protegido